sábado, 13 de outubro de 2012

Textos provocantes

Sempre julguei que eu precisaria sempre de Bukowski ou Salinger para me sentir provocado a escrever. Chego a conclusão que, sim, preciso constantemente ler esses dois filhos da puta para botar algo que preste pra fora.

Mas nessas de gastar horas digitando sobre a porcaria da minha vida, vi também que apesar de sempre querer que os outros leiam o que escrevo (insisto: acompanhar meu blog mostra irrecuperável habilidade na arte de ser um vagabundo), não tenho a mais rasa paciência para ler o que os outros escrevem.

Deve ser ciúmes. Tipo, vem alguém e me indica "porra, Marat, lê a droga do meu blog". Mando tomar no cu e vou ler, claro. É claro que há textos que deveriam ficar isolados ao limbo. Mas ultimamente ando me deparando com bons autores, que conseguem expressar suas ideias de maneira a parecer uma facada no bucho. Linhas que me fazem suspirar e ficar apaixonado pelas autoras (não pelos autores, evidentemente). Sinto-me saudavelmente provocado, do tipo "caralho, eu queria ter escrito exatamente assim!".

Tá pensando que vou fazer propaganda de blog aqui? Esquece.

Certa vez fui na casa da Mimi, uma amiga minha, dessas gatas pra caralho e que te fazem dormir pensando em se afundar nas carnes de alguém. Fui lá um dia e inventei de dizer que eu escrevia poemas.

- Ai, Marat, que legal! Eu também escrevo!

Medo. Ela me mostrou algo parecido com um caderno cheio de páginas escritas. Não eram poemas, óbvio. No máximo, arremedos de prosa poética, se é que tu conhece as terminologias da literatura.

- Gostou, Marat? Sabe, sou bem emotiva...
- Não, sim, gostei, claro. Bem... forte, né?


Nossa, fortíssimo. Naquele momento, vi concretizada mais uma de minhas teorias de boteco.

A mulher escreve porque precisa. Mulheres em geral querem desabafar, sem necessariamente passar por sessões de consolo. Um caderno parece ser um bom ouvido em momentos de paixonite ou mágoa. A guria sai toda perfumada e embonecada, aparece no bar e vê seu amor ficando com outra, certamente uma vagabunda. Crise de choro, "Que raiva!", amigas alisando cabelos e outros caras querendo alegrá-la. Ela chega em casa e gasta uma Faber-Castell inteira contando pro pobre do caderno o quanto aquele cara mexia com ela e que agora tudo vai ser diferente. 

Passada a tristeza, ela ainda mostra pro cara (que já pediu desculpas por ser cretino e retomou o caminho) o quanto ele a fez sofrer. Lindo. Mas isso mostra o viés da escrita feminina. 

Uma mocinha escreve sempre vendo as coisas de seu próprio ponto de vista. Suas impressões em relação ao mundo não ultrapassam o limite do surreal, são algo fácil de sentir e de criar rápida empatia pelo relato. E não necessariamente a autora tá interessada em adaptar isso a uma visão de alguém que porventura vá ler. 

Meninos escrevem com receio de serem mal interpretados. Portanto, acabam 'comercializando' sua escrita. Eles não se entregam totalmente, criam fatos para disfarçar algo e veem tudo de um ponto de vista de fora de seu mundo. Isso os deixa protegidos de qualquer avaliação de personalidade, pois com um personagem descolado da persona fica fácil perder o pudor. Fazem tudo sempre pensando que alguém pode realmente ler aquilo.


Claro que tô generalizando (só chatinhos ficam bravos com isso). E em geral também, o cara que for emotivo e confessional como a mulher angaria para si um público maior. A moça que rabiscar despudoradamente como um homem surpreende positivamente. Em ambos os casos, cabe um cuidado com a língua-pátria, que é o molho das ideias. Parece receita de um blog perfeito, eu sei. Mas se eu mesmo tivesse um, não estaria remando contra a maré de contas que me chega todo mês. Eu ia é ganhar dinheiro com minhas confissões... todas sem pudor nenhum.

2 comentários:

  1. Isa, negra, pêta.15 de outubro de 2012 02:12

    Resumo da ópera:

    Mulé quer provocar,
    Homem que causar.

    ResponderExcluir
  2. "Meninos escrevem com receio de serem mal interpretados. Portanto, acabam 'comercializando' sua escrita. Eles não se entregam totalmente, criam fatos para disfarçar algo e veem tudo de um ponto de vista de fora de seu mundo. Isso os deixa protegidos de qualquer avaliação de personalidade, pois com um personagem descolado da persona fica fácil perder o pudor. Fazem tudo sempre pensando que alguém pode realmente ler aquilo."

    Bem verdade! hahaha

    ResponderExcluir